segunda-feira, 10 de julho de 2006

Para que não se esqueça


Há 21 anos, os serviços secretos franceses afundaram o navio Rainbow Warrior, da Greenpeace, assassinando o fotógrafo português Fernando Pereira. Mais um crime que ficou sem verdadeiro castigo.
Hoje, o que revolta o povo não é a memória de um crime sanguinário deste género, mas sim que o seleccionador francês faça fitas e mande bocas à nossa selecção.
Os caminhos do embrutecimento são tão subtis como eficazes.

j.marioteixeira@sapo.pt

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home