quinta-feira, 26 de julho de 2007

Mistério

No caso Portucale, e segundo percebi pela comunicação social, terá havido, também, crime de tráfico de influências no sentido de ser conseguida a autorização de abate de 2605 sobreiros (espécie, aliás, dita protegida). E quem terá mexido os cordéis, tem agora sobre si uma acusação.
Ora, o propósito da influência só foi conseguido com a autorização do dito abate, o que aconteceu por despachos ministeriais de Costa Neves, Nobre Guedes e Telmo Correia a 4 dias das eleições legislativas. Logo foram decisões resultantes de influências.
Em conclusão: acusa-se quem influencia mas não quem é influenciado.
j.marioteixeira@gmail.com

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home